O Brasil é o maior país africano fora da África. Esse traço de nossa identidade nacional constitui activo inestimável e motivo de orgulho de todos os brasileiros. Por isso, a construção de relações sólidas com a África representa uma aspiração do conjunto da sociedade brasileira e um elemento insubstituível de nossa política externa. E Moçambique está claramente no centro de nossas atenções na África.

Os laços históricos e culturais que unem o Brasil à África e a Moçambique forneceram a base para a construção de relações sólidas e maduras. Hoje, encaramos o continente africano como um novo polo dinâmico da economia mundial. Queremos que os valores comuns sejam o motor de parcerias concretas nas mais diversas áreas do relacionamento, traduzindo as afinidades culturais e os vínculos afectivos em parcerias geradoras de oportunidades de negócios, investimentos, bem-estar e desenvolvimento.

É com esse espírito que escolhi o continente africano como destino de minha primeira viagem para além da América do Sul – e Moçambique como a primeira visita entre as nações da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Sou portador de uma clara mensagem do presidente Michel Temer e do povo brasileiro: Moçambique é e continuará a ser um parceiro prioritário para o Brasil. Construímos, nos últimos 41 anos, uma relação rica e abrangente, marcada por um diálogo político fluido, por um intercâmbio económico intenso e diversificado, e por uma expressiva e crescente convergência cultural. Estabelecemos uma efectiva relação de parceria, baseada na confiança, no respeito mútuo e na inequívoca disposição de aproximar nossas sociedades, de sempre avançar.

Tenho a convicção de que podemos estreitar ainda mais os fortes laços de amizade e cooperação que unem nossos povos. Compartilhamos, no âmbito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, os valores da democracia, da promoção da paz e do desenvolvimento sustentável. Defendemos uma ordem internacional mais justa e aberta aos anseios de todos os países.

O Brasil seguirá apostando na realização do imenso potencial económico de Moçambique. Com uma população jovem e empreendedora e abundantes recursos naturais, o país apresenta oportunidades promissoras. Investimentos brasileiros em Moçambique já alcançam USD 9 bilhões. Continuaremos trabalhando na identificação de novas parcerias em áreas estratégicas, como agricultura e produção de energia, com o objectivo de aproximar ainda mais os sectores produtivos de nossos países.
No dia 12 de Maio, terei a honra de acompanhar o Presidente Filipe Nyusi na inauguração oficial do Corredor Logístico de Nacala. Símbolo do potencial económico resultante da associação entre empresas moçambicanas e brasileiras, o Corredor Logístico de Nacala dará relevante contribuição para o desenvolvimento das regiões centro e norte do país.

É com orgulho que ressalto que Moçambique é o maior parceiro da cooperação sul-sul prestada pelo Brasil. Projectos pioneiros da Agência Brasileira de Cooperação são desenvolvidos nos sectores de saúde, agricultura familiar, educação, alimentação escolar, seguridade social e planeamento urbano. Por meio de um processo de aprendizagem recíproca e sem imposição de condicionalidades, técnicos moçambicanos e brasileiros compartilham experiências exitosas que são aplicadas na melhoria da qualidade de vida da população. Assinarei, com o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Oldemiro Balói, novos projectos que ampliam o escopo da cooperação bilateral.

Moçambicanos e brasileiros partilham uma visão de mundo baseada na tolerância e na valorização da diversidade. Influências recíprocas – presentes na música, na literatura, na dança e na culinária – enriquecem nossas culturas e aproximam nossos povos. O Centro Cultural Brasil-Moçambique, fundado em 1989, é um dos símbolos dessa grande convergência. Por isso, com a finalidade de fortalecer ainda mais o intercâmbio entre as artes e as culturas do Brasil e de Moçambique, terei a grande alegria de inaugurar o auditório Vinicius de Moraes, grande poeta, músico e diplomata brasileiro, no âmbito da cerimónia de reabertura do Centro Cultural Brasil-Moçambique. Na ocasião, haverá homenagem à escritora Paulina Chiziane e apresentação da cantora Mingas.

Não hesito em afirmar que Moçambique e Brasil continuarão a estreitar os laços de amizade e cooperação. As perspectivas para o fortalecimento de nossas relações políticas e económico-comerciais são extremamente promissoras. Vamos continuar a utilizar a forte amizade e a afinidade cultural que nos unem como promotores do desenvolvimento económico e social, em benefício de nossos povos.

Fonte: Jornal O País

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *